quinta-feira, 5 de novembro de 2015

SOBRE O ACORDO À ESQUERDA




O QUE TEM DE SER FEITO



Sobre o acordo à esquerda, nomeadamente entre o PS e o PCP, fala-se muito e sabe-se pouco.

Em duas palavras, ou um pouco mais, também gostava de dizer alguma coisa. A primeira não é muito diferente daquela que quase toda a gente já disse: o eleitorado de esquerda não está preparado para um falhanço das negociações, nem aceita uma qualquer explicação para esse hipotético desenlace. A segunda também já foi muito repetida, mas que importa continuar a sublinhar: esta é uma oportunidade que não pode ser perdida de ânimo leve, não apenas pelas potencialidades que encerra mas também porque, se falhar, dificilmente se repetirá nos tempos mais próximos, com a agravante de a direita se prevalecer desse fracasso para aplicar em toda a linha o seu programa neoliberal de destruição do Estado social e de desforra do 25 de Abril.

Dito isto, quanto ao resultado das negociações não estou apreensivo, nem convencido. Apenas expectante. Expectante e atento.

A ideia base que os negociadores não podem deixar de ter em conta, imposta, não direi pelo senso comum, que é algo que eu tenho alguma dificuldade em saber o que é, mas pelo princípio da boa-fé, que na sua compreensão objectiva significa muito simplesmente fazer o que deve ser feito e não exigir o que não pode ser exigível, o que aplicado às negociações em curso quer muito pura e simplesmente dizer o seguinte:

É inadmissível que as negociações fracassem por exigência de realização imediata de algo quer pode fazer-se gradualmente; assim como é inadmissível que as negociações não tenham êxito por não se querer fazer agora o que somente agora pode ser feito!

Entendido?


4 comentários:

Anónimo disse...

Esta página tem um virus que faz disparar anuncios de Forex. Um abraço

Majo disse...

~~~
~ Que seja uma vitória
histórica contra a prepotencia e tirania da direita.

~ Compartilho uma apreensão e esperança similares.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Rogerio G. V. Pereira disse...

As negociações não irão fracassar por exigência de realização imediata de algo que pode fazer-se gradualmente; assim como é admissível que as negociações tenham êxito por o bom senso recomenda se fazer agora o que somente agora pode ser feito!

Sobre a Nato, nem nos tempos de Vasco
Sobre a saída do euro, será sempre um processo e não um acto súbito

O resto?
Acho que as negociações continuam...

Jaime Santos disse...

O que deve sair destas negociações é um acordo escrito em que os três Partidos concordem que se entendem no essencial para providenciar ao País uma via de fuga do Pântano actual, e concordem em discordar naquilo em que discordam, mas em não fazer disso um tabu que não se pode discutir. O País beneficiaria se se discutisse abertamente as condições em que Portugal deve sair do Euro quais as medidas a tomar nessa situação. E concordem que não sendo a União para a Vida, ela deve ter a Legislatura em perspectiva, sendo que se houver Divórcio ele deve ser feito sem acrimónia e recriminações mútuas. Não se pode dar a Cavaco nenhuma razão para não aceitar esse Governo. Se o recusar, o ónus será dele e só dele (e da Direita).